Chutney de tamarindo

by Monica Hering

Tenho lido bastante nas últimas semanas. Um hábito que sempre cultivei, mas que tenho que confessar, andava um pouco abandonado. Acho que estava lendo muito mais livros de receitas e sobre alimentação do que qualquer outro tema desde que mudei para cá!

Ganhei alguns livros de presente que não encontrava aqui em São Luís. Imagine a alegria de quem recebe um pacote de livros pelo correio enviado por uma amiga querida! Nos livros que recebi, um dos temas era o conceito do Ikigai. Foi algo que descobri no ano passado em alguns textos, e que me interessou bastante. O Ikigai – de forma bem resumida – seria a nossa “razão de ser” ou, a razão pela qual nos levantamos pela manhã todos os dias.

Ter um Ikigai definido (ou uma grande paixão) dá satisfação, felicidade e significado à vida. Quando fazemos aquilo que nos dá prazer, entramos em um estado de imersão, livre de distrações e também com muita criatividade.

Somos o que fazemos repetidamente. A excelência não é um ato, mas um hábito.

– Aristóteles

É impossível não me encantar pelo conceito do Ikigai quando penso em tudo que mudou em minha vida nos últimos anos, decorrente e totalmente ligado às minhas escolhas alimentares. Cozinhar e descobrir o que significa “comida de verdade” para mim se tornou uma busca por uma vida mais simples, além de conectada com a natureza e conceitos como sustentabilidade. Por meio da busca pelo meu Ikigai nasceu o blog, que por sua vez, passou junto comigo por tantas descobertas e adequações, e faz parte do meu caminho!

Tamarindo

O tamarindo foi uma das minhas descobertas depois que mudei para o Maranhão. Nunca havia sentido seu sabor “in natura” até encontrar um pé no meio da rua, em uma aldeia de pescadores no parque dos Lençóis Maranhenses e ficar curiosa para provar! Nos últimos meses usei o tamarindo em sucos, molhos e acabei adaptando esta receita de chutney com sementes de mostarda. Adorei o resultado, apesar de um pouco exótico!

Chutney de tamarindo

Chutney de tamarindo

Ingredientes

  • ½ cebola roxa, picada
  • 1 colher (sopa) de azeite de oliva
  • ¼ xícara de vinagre de maçã
  • 1 colher (sopa) de mostarda em grãos
  • ½ xícara de açúcar mascavo
  • 1 pedaço de gengibre fresco, ralado
  • 1 xícara de polpa de tamarindo
  • 2 maçãs sem casca raladas, no ralo grosso

Modo de fazer

  • Refogue a cebola no azeite até ficar translúcida. Junte o vinagre, a mostarda, o açúcar e o gengibre. Misture até ficar homogêneo.
  • Coloque o tamarindo e a maçã ralada e misture bem. Mexa até ferver, abaixe o fogo e cozinhe até engrossar (em torno de 20 minutos).
  • Transfira para um vidro esterilizado e guarde na geladeira.

Notas

Para preparar a polpa de tamarindo, quebre as cascas e coloque as vagens em uma tigela cobertas com água quente. Aguarde em torno de 1 hora e aperte bem com as mãos para soltar a polpa. Passe por uma peneira, apertando bem com as costas de uma colher.

Outras sugestões:

3 comentários

Isabel Maria Ferreira Maia da Silva Vieira da Silva 1 de março de 2020 - 10:56

O tamarindo, em Portugal, é diferente . Como peras pequenas, cor roxo avermelhado, casca macia e brilhante, o interior semelhante ao maracujá , cresce em arbustos grandes, quase árvores…

Responder
Monica Hering 1 de março de 2020 - 17:24

Vou procurar uma imagem Isabel. Fiquei curiosa!

Responder
Ângela Santos 16 de agosto de 2018 - 07:13

Jesus abençoado! Já fiquei imaginando esse chutney com a boca salivando. Mostarda em grãos, tamarindo e gengibre… deve dar uma explosão de sabores. Vou atrás do tamarindo para experimentar essa receita e já vou aproveitar para fazer uma geleia também! Obrigada por partilhar conosco!

Responder

Deixe um comentário